Tercio Sampaio Ferraz Jr

Apresento o Tercio filósofo, jurista, constitucionalista, tributarista, concorrencialista e teórico geral do direito e do Estado, poeta, ensaísta da arte, mitologista, amigo, colega e professor.

Gostou do Site? clique numa das propagandas e ajude-nos a mantê-lo no ar
 

Publicações Científicas

02/02/2012 - Princípio da Igualdade no Sistema Tributário - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

Prof. Tercio Sampaio Ferraz Jr. — Sr. Presidente desta Mesa, Sr. Presidente do Tribunal Regional Federal, Sr. Vice-Presidente, meus prezados colegas, minhas senhoras e meus senhores. Pela gentileza do meu prezado amigo Prof. Geraldo Ataliba, tenho o privilégio de discutir com os senhores assuntos relativos ao Direito Tributário. O tema dessa sessão, contudo, me deixa de um lado um pouquinho mais à vontade, na medida que toca em questões particularmente caras ao meu tipo de estudo, a Teoria Geral de Direito e a Filosofia do Direito.

IGUALDADE

A Prof.a Diva Malerbi acentuou, a meu ver com razão, um dos lados desse tema, a questão da legalidade. Eu gostaria de fazê-lo ao inverso e com isso, quem sabe, me tornar complementar à exposição que ela brilhantemente acabou de realizar. Ou seja, eu gostaria de discorrer e dizer algumas coisas, neste espaço de tempo de 15 minutos, a respeito da igualdade e de seu reflexo no sistema tributário, como ele está colocado na Constituição.

A minha observação é relativamente simples e se resume a um único dado, como verão em seguida, isto é, a um posicionamento a respeito da igualdade na Constituição, mas para isso eu precisaria construir algumas idéias.

A igualdade é enumerada na Constituição entre o elenco daquilo que nós poderíamos chamar de valores constitucionais básicos, e isso ocorre já no preâmbulo da Constituição, ali se fala na igualdade. Nós sabemos que o valor igualdade tem sentidos não necessariamente unívocos, os sentidos variam inclusive no tempo. Na tradição constitucional liberal inicialmente ela é igualdade jurídica, é isonomia, isto é, igualdade perante a lei, o que postula, na verdade, uma espécie de desigualdade de fato decorrente das diferentes aptidões pessoais. Isto é, quando falamos em isonomia, a igualdade em termos normativos, estamos afirmando que igualdade é nomos, é norma, ela é ditada pela norma e ela é perante a norma, mas ela não é igualdade de fato, as pessoas são de fato diferentes.

A força valorativa, axiológica da igualdade na esteira das revoluções modernas, no entanto, aponta para uma espécie de neutralização das desigualdades de fato; das desigualdades de fato; das desigualdades culturais, por exemplo, como aquelas fundadas em outros aspectos da vida humana em termos fáticos como a vida religiosa, a vida política. Ou seja, o valor atua como elemento neutralizador de discriminações religiosas ou de discriminações religiosas ou de discriminações políticas. No correr do século XIX o valor igualdade é usado para neutralizar as desigualdades quanto ao trabalho. Já no correr do século XX os movimentos em favor da liberação da mulher ultimamente exigem a neutralização das desigualdades decorrentes do sexo. A derrocada do nazismo, por exemplo, revelou a importância da neutralização das chamadas desigualdades raciais.

O texto da Constituição de 88, pelo conjunto das normas que proscrevem qualquer tipo de discriminação pelo enunciado até superlativo do caput do art.5º (reparem que ali se diz que todos são iguais perante a lei, garantindo-se entre outros o direito a igualdade, quer dizer, aparece duas vezes a palavra), generaliza uma aspiração, eu diria bem mais ampla, alcança até mesmo as desigualdades de fato. Na medida em que desvaloriza a existência de condições empíricas discriminantes e exige, pelo menos, a equalização de possibilidades.

Deste modo eu diria que o valor igualdade, como ele aparece no preâmbulo, tomado não apenas como condição para o exercício das liberdades fundamentais, a igualdade perante a lei, mas como conteúdo autonômo de um dos direitos básicos, direito à igualdade – é bom lembrar que as Constituições anteriores não enunciam a igualdade como um dos direitos, apenas afirmam a igualdade perante a lei – a meu ver isto repercurte imediatamente no impedimento dos direitos constantes da Constituição, sobretudo, obviamente, nos direitos sociais. Numa aproximação eu diria negativa, isto é, uma tentativa de uma definição pela negação, o valor igualdade significaria, portanto, exigência de não-discriminação política, não-discriminação jurídica, não-discriminação religiosa, não-discriminação sexual, não-discriminação racial. Trata-se, nesse sentido de um valor individual que pressupõe de fato que os homens são diferentes política, jurídica, religiosa, sexual, racialmente. Mas numa aproximação então positiva o valor igualdade aponta para a igualdade dos pontos de partida enquanto equalização de possibilidades, equalização de oportunidades e de participação econômica e social. Nesse sentido significa um valor social que pressupõe que de fato os homens são, mas podem ser menos diferentes pelo menos.

Conforme essa colocação, nós teríamos que aceitar que a noção de igualdade na Constituição tem dois usos fundamentais e por meio desses dois usos nós poderíamos chegar a critérios interpretativos diferentes das diversas questões que são atravessadas pelo chamado princípio da igualdade. Eu distinguiria aqui entre um uso de bloqueio e um uso de realização legitimante, um uso de bloqueio e um uso de finalidade. O uso de bloqueio na interpretação afirma a igualdade e daí decorre uma série de vedações: não se pode fazer isso, não se pode fazer aquilo, é vedado discriminar aqui, é vedado discriminar tributos neste e naquele sentido, etc. Este é o uso de bloqueio agasalhado por um dos sentidos da igualdade que é o primeiro sentido, o sentido negativo, o sentido propriamente da isonomia, o mais tradicional, o sentido liberal que a igualdade tem na tradição constitucional. O outro sentido, que é o sentido legitimante e que olha para o futuro, que exige do Estado, mas sobretudo da sociedade, um movimento na direção de uma menor diferenciação, na direção de senão uma igualitarizacão, mas pelo menos de uma equalização de oportunidades, de menos diferenças sociais, este é um outro sentido, eu diria é o sentido positivo e não negativo da noção de igualdade, esse nos aponta então para o segundo uso interpretativo da expressão que não é de bloqueio, não é vedar, não é proibir, mas é exigir que se realize, exigir que se faça, exigir que se atinja certas finalidades.

Se temos esses dois sentidos na expressão igualdade na Constituição — e eu acho que eles estão fundados no texto constitucional — seria o caso então de vermos a repercussão disso em alguns textos, relativos ao sistema tributário como ele está na Constituição. Não vou descer aos detalhes e nem pretendo fazer qualquer análise exaustiva; apenas chamar a atenção para os dois usos aqui e ali, sem analisar exaustivamente a questão, tomando um tanto ou quanto aleatoriamente, por exemplo, o art. 150. No art. 150 o inciso II fala numa vedação — o caput diz que é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios instituir tratamento desigual entre contribuintes que se encontrem em situações equivalentes, proibida qualquer distinção, etc., etc., os senhores conhecem este texto, acredito que muitos o têm à sua frente. Este texto, a meu ver, é tipicamente um texto em que se faz uso do princípio da igualdade e do valor igualdade em termos do preâmbulo, em termos de bloqueio. Este é tipicamente um texto em que o uso de bloqueio aparece, a igualdade como bloqueio está no seu sentido negativo. Aqui percebemos claramente que o texto fala em igualdade, como nomos, como norma; ou seja, para que se exija esta vedação de tratamento desigual pressupomos que de fato existe uma desigualdade, ou seja, existe uma desigualdade entre contribuintes que de fato não se encontram em situações equivalentes, de fato não se encontram na mesma situação. Não obstante, o princípio da igualdade atua como um bloqueio e diz que nós não podemos instituir tratamento desigual, só que aqui se faz uma pequena restrição dizendo que se encontra em situação equivalente, não em situação igual, é aqui que aparece claramente que a ideologia constitucional admite as diferenças, as situações mencionadas são equivalentes mas não são iguais. O que significa isso? Aqui poderia surgir uma discussão a respeito de se essa situação equivalente se refere a situações de fato ou a situações normativamente qualificadas, isto é, conteúdos de normas, isto é, contribuintes que estivessem em situações normativamente equivalentes e não situações de fato equivalentes.

Eu tenho para mim que sempre, ainda que não queiramos, a igualdade humana é sempre fruto de norma, ela não é um fato. O fato nos mostra o reverso, os homens são desiguais nos mínimos detalhes; o que é igual em todos é sempre fruto de norma, é fruto cultural. Portanto, eu veria aqui a situação equivalente como a situação em que alguém se encontra por força não de uma norma mas do conjunto normativo em situação que pode ter uma validade de aproximação, equivalidade.

Um outro artigo. O 151 no inciso I : "instituir tributo que não seja uniforme em todo o território nacional, ou que implique distinção ou preferência em relação a Estado, etc." — eu não vou ler o texto até o fim. De novo aqui uma vedação. A vedação agora se refere a qualquer discriminação ou distinção entre os Estados, de novo a igualdade no sentido negativo, de novo a igualdade no uso de bloqueio. Agora, aqui abre-se uma exceção: "admitida a concessão de incentivos fiscais destinados a promover o equilíbrio do desenvolvimento socioeconômico entre as diferentes regiões do país". Aqui aparece um outro sentido da igualdade, aqui não é mais bloqueio. Quando se diz "admitido", aqui nós estamos dizendo também em conformidade com a Constituição que diz que um de seus princípios é diminuir as diferenças regionais, aqui vem um outro sentido da igualdade, é a igualdade colocada como fim, como meta; portanto, exigindo do Estado não de Direito, mas do Estado Social a realização de alguma coisa — e da própria sociedade também, ou seja, alguma ação que provoque a diminuição, o desequilíbrio, que diminua o desequilíbrio. Portanto, num mesmo texto os dois usos diferentes do valor de igualdade em termos de seus usos interpretativos.

Ainda aleatoriamente o art. 152, na sequência, traz nitidamente um uso de bloqueio: "é vedado aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios estabelecer diferença tributária entre bens de serviços, de qualquer natureza, em razão de sua procedência ou destino." Aqui também o sentido de bloqueio aparece claramente.

No art. 153, § 2.°, em relação ao imposto de renda, "o imposto previsto no inciso III será informado pelos critérios da generalidade, da universalidade e da progressividade, na forma da lei". Aqui também está presente um valor igualdade. Eu diria que quando a Constituição fala em princípios da generalidade e da universalidade que ela está agasalhando, esses dois princípios estão sob influxo da noção ou do valor da igualdade no seu sentido de bloqueio. Aqui atua o sentido de bloqueio, isto é, a igualdade como base, a generalidade, a universalidade no sentido de igualdade tem uma função de bloqueio, mas não necessariamente na progressividade. Na progressividade aparece um outro sentido. Na progressividade aparece o sentido legitimante, isto é, de meta, porque a progressividade é um modo de nós minorarmos as diferenças reconhecidas. Aqui neste texto, portanto, percebemos os dois sentidos e no mesmo texto do art. 153 no seu inciso II: "não incidirá nos termos e limites fixados em lei, sobre rendimentos provenientes da aposentadoria e pensão etc." Essa proibição, embora tenha o sentido de uma vedação e aparentemente de um bloqueio, não deixa de ser uma atuação do constituinte de usar a igualdade no sentido legitimante, no bentido positivo; não é bloqueio, é sentido legitimante. Embora, reparem bem, na prática como o Estado é de Direito e Estado Social a tendência é, para efeito global, usar sempre os dois sentidos complementarmente. Mas eu estou apenas aqui chamando a atenção para a relevância de um sobre outro, em determinadas circunstâncias, o que não quer dizer que no mesmo texto às vezes não possamos encontrar complementarmente os dois usos. É o caso desse inciso II em que o sentido positivo chama a atenção, isto é, "não incidirá sobre aposentadoria, pensão etc." há o sentido de diminuir a desigualdade proporcionada pela situação em que se encontra o contribuinte depois de uma certa idade ou quando pensionista etc., embora evidentemente complementarmente possamos sempre falar "uma vedação", porque aqui se fala em "não incidirá"; portanto, pensar em termos da outra igualdade, da igualdade no sentido de bloqueio.

O art. 156, § l.º, fala de novo num problema, toca num assunto de novo referente à questão da igualdade quando diz que o imposto previsto no inciso I "Propriedade Predial e Territorial Urbana" poderá ser progressivo nos termos da lei municipal. A noção de progressividade, a meu ver, tem a ver com a noção de igualdade no segundo sentido, no sentido legitimante, no sentido de finalidade. Portanto, aqui neste caso o uso é o uso de finalidade e não necessariamente o uso de bloqueio; o uso de bloqueio é secundário e é complementar, ele vem apenas para garantir esta finalidade.

Finalmente, sem querer de novo ser exaustivo, uma menção rápida ao art. 145, § 1.°, onde aparece o princípio da capacidade contributiva. O princípio da capacidade contributiva, a meu ver, tem a ver com o sentido da igualdade e, em tese, ele pode ter tanto o sentido da igualdade como bloqueio, como o sentido da igualdade como finalidade, como instrumento de alteração, de mudança, de equalização, portanto, exigindo a atuação do Estado chamado Social.

Muito obrigado. (PALMAS)

Fonte: Revista de Direito Tributário – Outubro-Dezembro de 1991, nº 58, ano 15, São Paulo, pp. 204-208.

Texto digitado e organizado por: Gabriela Faggin Mastro Andréa.

 

Outras Publicações

02/08/2017 - O Estado e o investimento social.

02/08/2017 - O Estado interventor e a Ordem Econômica na Emenda Constitucional de 1969.

02/08/2017 - Constituição e ideologia.

02/08/2017 - Institucionalização da violência.

02/08/2017 - Princípios condicionantes do Poder Constituinte Estadual em face da Constituição Federal.

02/08/2017 - Justiça como retribuição da razão e da emoção na construção do conceito de Justiça

02/08/2017 - Por que ler Kelsen, hoje.

02/08/2017 - Discricionariedade nas Decisões do CADE Sobre Atos de Concentração.

02/08/2017 - Ética administrativa num país em desenvolvimento.

02/08/2017 - O Judiciário frente à divisão dos Poderes - um princípio em decadência.

02/08/2017 - Prefácio à obra Curso de Economia - Introdução ao Direito Econômico, de Fábio Nusdeo.

02/08/2017 - Reajustes salariais na sucessão dos Decretos-Leis, qual a norma incidente no tempo?

02/08/2017 - Coisa julgada em matéria fiscal - identidade de objeto.

02/08/2017 - Apresentação da edição brasileira da obra Eichmann em Jerusalém de Hannah Arendt.

02/08/2017 - Concepção de sistema jurídico no pensamento de Emil Lask.

02/08/2017 - A relação meio-fim na Teoria Geral do Direito Administrativo.

02/08/2017 - A sindicalização rural.

02/08/2017 - A teoria da norma jurídica em Rudolf von Ihering.

02/08/2017 - A concepção geral do mundo e a revolução científica e industrial.

02/08/2017 - A Filosofia do Direito no Brasil.

22/07/2015 - Prefácio à obra “Dever Jurídico e Teoria Realista do Direito”, de Ari Marcelo Solon.

22/07/2015 - Litígio constitucional entre Estados-membros e a competância do STF.

22/07/2015 - Liberdade e responsabilidade penal.

22/07/2015 - Direito e Cidadania na Constituição Federal.

22/07/2015 - Perversão ideológica dos Direitos Humanos.

25/03/2015 - A anistia e o desejo de punir.

25/03/2015 - A anistia e o desejo de punir.

19/08/2014 - Propostas para a Constituinte

19/08/2014 - Segurança Jurídica e Normas Gerais Tributárias

19/08/2014 - Segurança Jurídica e Normas Gerais Tributárias

19/08/2014 - Indício e prova de Cartel

19/08/2014 - Indício e prova de Cartel

19/08/2014 - A teoria tridimensional do direito de Miguel Reale

19/08/2014 - A teoria tridimensional do direito de Miguel Reale

19/08/2014 - As origens do Estado contemporâneo ou o Leviathan gestor da economia

19/08/2014 - Liberdade de opinião, liberdade de informação - mídia e privacidade

19/08/2014 - Hobbes e a teoria normativa do Direito

19/08/2014 - A concepção geral do mundo e a revolução científica e industrial (Comentário — II)

19/08/2014 - A concepção geral do mundo e a revolução científica e industrial (Comentário — II)

19/08/2014 - Democracia e conscientização social

19/08/2014 - Direito Subjetivo: Formação do Conceito e Limites Operacionais

19/08/2014 - A noção de Norma Jurídica na obra de Miguel Reale

19/08/2014 - Atos Institucionais e exclusão de apreciação Judicial.

06/06/2014 - A concepção geral do mundo e a revolução científica e industrial (Comentário — II)

08/01/2013 - Que estou lendo

08/01/2013 - Sobre a decadência do crédito tributário

08/01/2013 - Resilição unilateral de relações comerciais de prazo indeterminado e a lei de defesa da concorrência

08/01/2013 - O conceito jurídico de oligopólio e a legislação sobre o abuso do poder econômico

08/01/2013 - Guerra fiscal, fomento e incentivo na Constituição Federal

08/01/2013 - Da inexistência de fundo de comércio nas sociedades de profissionais de engenharia

08/01/2013 - Poder Legislativo

08/01/2013 - Competência da Anatel para a Regulação de Mercados Adjacentes aos Serviços de Telecomunicações: o Mercado de Listas Telefônicas

08/01/2013 - A concentração econômica e fiscalização administrativa (Entendimento do art. 74 da Lei n? 4137/62 segundo a redação do art. 13 da Lei 8158/91)

16/02/2012 - Lei de defesa da concorrência – origem histórica e base constitucional - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

16/02/2012 - Porto – arrendamento - cessão e prorrogação do contrato - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/02/2012 - Das condições de obrigatoriedade de comunicação de atos de concentração - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Entrevista de Tercio Sampaio Ferraz Jr. à Revista Época

02/02/2012 - Entrevista de Tercio Sampaio Ferraz Jr. à Revista Getúlio

02/02/2012 - Conduta Discriminatória e Cláusula de Exclusividade Dirigida - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Anterioridade e Irretroatividade da Lei Tributária sobre Imposto de Renda na Constituição de 1988 - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Sigilo das operações de instituições financeiras (parecer) - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Regulamentação da Ordem Econômica - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Princípio da Igualdade no Sistema Tributário - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Prefácio ao livro “Competitividade: mercado, estado e organização”, de Elizabeth M. M. Querido Farina, Paulo F. de Azevedo e Maria S. M. S. - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Prefácio à obra “Introdução ao direito econômico - curso de economia”, de Fábio Nusdeo - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Apresentação do livro “Pessoa Deficiente – direitos e garantias”, de Olneu Queiroz Assis e Lafaiete Pussol - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Lei Geral de Telecomunicações e a Regulação dos Mercados - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Indício e Prova de Cartel - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Reajustes salariais na sucessão dos Decretos Leis, qual a norma incidente no tempo? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Princípios condicionantes do Poder Constituinte Estadual em face da Constituição Federal - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Vigência dos Decretos-Leis sobre o Salário - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Liberdade de opinião, liberdade de informação: mídia e privacidade - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - ICMS: não-cumulatividade e suas exceções constitucionais - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Falta Experiência para Legislações Comuns - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Discricionariedade nas Decisões do CADE Sobre Atos de Concentração - Tércio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Convocação da constituinte como problema de controle comunicacional - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Concepção de sistema jurídico no pensamento de Emil Lask(*) - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Competência tributária municipal - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Aplicação da legislação antitruste: política de Estado e Política de Governo - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Aplicação da Ação Revisional no Processo Trabalhista - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Abuso de Poder Econômico por prática de licitude duvidosa amparada judicialmente - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - A sindicalização rural - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - A relação meio/fim na Teoria Geral do Direito Administrativo - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - A regulação nas bolsas - Raymundo Magliano e Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - A opção entre os Sistemas - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Sigilo Bancário - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Regulamentação da Ordem Econômica - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Propriedade Industrial e Defesa da Concorrência - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Prefácio à obra Tópica e Jurisprudência, de Theodor Viehweg - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - “Parrhesia” Ainda sabemos o que é? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Liberdade de Opinião, Liberdade de Informação: Mídia e Privacidade - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Liberdade de Opinião, Liberdade de Informação: Mídia e Privacidade - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - ICMS: não-cumulatividade e suas exceções constitucionais - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Goffredo: da morte à vida - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Equiparação - CTN, Art. 51 - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Discricionariedade nas Decisões do CADE Sobre Atos de Concentração - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Desafios do federalismo fiscal brasileiro - Marco Aurélio Greco e Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Desafios do federalismo fiscal brasileiro - Marco Aurélio Greco e Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Da abusividade do poder econômico - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Convocação da Constituinte como problema de Controle Comunicacional - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Contrato de Fornecimento Contínuo e a Lei 8.666/93 - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Constituinte - Regras para a Eficácia Constitucional - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Anterioridade e Irretroatividade no campo Tributário - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - A definição de produtos sem-elaborados e os limites da ficção jurídica - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Agências Reguladoras: legalidade e constitucionalidade - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Allegro ma non troppo - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Os desafios para a nova Constituição - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Holocausto judeu ou alemão? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Restabelecer a justiça - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Direitos humanos – o que fazer? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Corrupção – o Satã brasileiro? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Como regular agências reguladoras? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Lei antitruste - um problema econômico do Ministério da Justiça - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - A cobrança dos inativos é inconstitucional? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Hora das políticas múltiplas - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - A greve dos servidores é ilegal? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Contra o Terror, a Lei - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Governo e Consenso - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Vale a pena votar? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Uma política de avanços e recuos - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Um livro muito além das modestas intenções do autor - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Terrorismo de Estado de Direito - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Rumo à redemocratização - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Poder central - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Pelé e o significado do voto - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Os direitos humanas também são relativos? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Os Cordões da Bolsa – Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - O jogo do poder - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - O Executivo e a Tecnocracia - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - O dilema americano - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - O imperativo da legalidade - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Igreja e Ideologia - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Essas leis são sérias? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Como entender esse Decreto-Lei? Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Ciência e Política - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Apenas um dos momentos da crise - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - A ponta do "iceberg" - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - A morte da democracia - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - A intervenção na economia - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - A dimensão social da Democracia - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - A democracia de Geisel - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - A centralização do poder - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - A burocultura - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Saúda o Novo Diretor - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Rigidez ideológica e flexibilidade valorativa - para uma análise da dimensão axiológica do Direito - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - RICHARD WISSER, Verantwortung im Wandel der Zeit — Mainz, v. Hase & Koehler Verlag, 1967 — 234 págs. - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - RICHARD WISSER – Martin Heidegger im Gespräch – Edição: Verlag Karl Alber – Freiburg-München – 1970 – 80 páginas. - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Remissão e Anistia Fiscais: sentido dos conceitos e forma constitucional de concessão - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Realidade política brasileira - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Política e Ciência Política - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - O Oficial e o Inoficial - ensaio sobre a diversidade de universos jurídicos temporal e especialmente concomitantes - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - O legado da Revolução - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Interesse Público - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - ICM sobre bens importados - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - FRITZ-JOACHIM VON RINTELEN – Contemporary german philosophy, an its background. Coleção: Mainzer philosophische Fouschungen, editada por G. Funke, vol. 11. Edição H. Bouvier u. Co. Verlag-Bonn – 1970

23/08/2011 - Sigilo de dados: o Direito à privacidade e os limites à função fiscalizadora do Estado - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Decreto-Lei, Instrumento Discricionário - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Congelamento de preços — Tabelamentos oficiais - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Competência Tributária Municipal - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - LAFER, Celso – A reconstrução dos direitos humanos (Um diálogo com o pensamento de Hannah Arendt) – Companhia das Letras, 1988, 406 págs. -Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Revisão e apresentação do livro Legitimação pelo procedimento de Niklas Luhmann - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Aposentadoria dos Servidores Públicos e a Legitimidade do Regime Contributivo da Emenda Constitucional n° 20 - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Algumas observações em torno da cientificidade do direito segundo Miguel Reale - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - A visão crítica do Ensino Jurídico -Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - A tutela dos Interesses Difusos - Painel - DEBATES

23/08/2011 - A Lei de Informática em questão - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - A Igreja e as Ideologias atuais -Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - A filosofia como discurso aporético - uma análise da filosofia do ângulo lingüístico-pragmático - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Liberdade de imprensa e escândalo - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - A “democracia” relativa - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Teoria da norma jurídica: um modelo pragmático - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - O papel, da Dialética em Aristóteles, Kant e Hegel - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Dra. Alice no país do “pró-rata média” - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Dra. Alice no país da corrupção - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - A dra. Alice no país da lei, ora a lei - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

 

 


visite o site parceiro

 

 

 
© Copyright 2006 - Tercio Sampaio Ferraz Jr - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento: TECMEDIA