Tercio Sampaio Ferraz Jr

Apresento o Tercio filósofo, jurista, constitucionalista, tributarista, concorrencialista e teórico geral do direito e do Estado, poeta, ensaísta da arte, mitologista, amigo, colega e professor.

Gostou do Site? clique numa das propagandas e ajude-nos a mantê-lo no ar
 

Publicações Científicas

22/11/2011 - Convocação da constituinte como problema de controle comunicacional - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

Há algum tempo atrás, o Jornal da Tarde (15.2.86) publicou uma resenha crítica de um livro de minha autoria — Constituinte — Assembléia, Processo, Poder (Ed. RT, 1985) — em que o Prof. Paulo Bonavides, além de referências que muito me honraram, levanta algumas dúvidas significativas sobre pontos que tocam de perto a questão do poder constituinte originário e derivado.

Uma das observações do ilustre Professor se referia à minha afirmação de que a ordem constitucional norte-americana não conhece a idéia de poder constituinte derivado. Reconheço que o texto, como está, é passível de objeção. É irrefutável que a Constituição dos Estados Unidos da América dispõe no seu art. V sobre a forma como se deverão processar as emendas constitucionais. Ao afirmar, porém, que a ordem constitucional daquele País só admite o poder constituinte originário, referia-me a um dos aspectos da noção de poder constituinte derivado: ao fato de que este poder se exerce sob limites estabelecidos pelo poder originário. Nesse sentido esclareço em meu texto que o constituinte (americano) é uma instituição corporificada no Congresso — certamente num processo que inclui a participação dos Estados-membros — a qual exerce funções constituintes sem limitações. Ao fazê-lo, respaldei-me, em parte, em observações de Karl Loewenstein (Direito Constitucional e Praxis Constitucional dos Estados Unidos, em alemão, 1959, p. 38) segundo o qual a idéia de limites materiais a uma mudança constitucional não existe no pensamento jurídico americano. Perguntar-se-ia, obviamente, não obstante, se não existiriam limites formais (o processo de emenda). O jurista Alf Ross (La Nocíón de Validez y Otros Ensayos) discute este ponto, ao indagar se seria possível, através dos dispositivos processuais do art. V da Constituição, uma emenda que viesse a alterar os próprios dispositivos do mesmo art. V. Quer-me parecer, sobre essa complicada questão, que, de fato, nada obsta que o processo de emenda seja alterado, permitindo a conclusão de que um poder que pode alterar as condições de seu próprio exercício não conhece limitações. Reconheço, no entanto, que o problema é complexo e envolve dois sentidos que fazem da expressão "poder constituinte" um conceito ambíguo, posto que contém, de um lado, a idéia de poder-força e, de outro, a idéia de competência jurídica. Ora, do ponto de vista da competência há um limite: mesmo a alteração do art. V teria de ser feita com respeito ao próprio art. V. Mas do ponto de vista da força (política), este limite não existe.

O assunto merece uma reflexão mais detida, pois tem uma repercussão curiosa sobre a forma como foi feita a convocação da constituinte no Brasil. De fato, a EC 26, de 27.11.85, votada, aprovada e promulgada conforme a atual Constituição, confere aos membros da Câmara e do Senado, a partir de 10.2.87, o poder de se reunirem unicameralmente em Assembléia Nacional Constituinte livre e soberana. Pelo art. 2.° dessa Emenda, a Assembléia será instalada pelo presidente do STF e, pelo art. 3º, a Constituição será promulgada após a aprovação do seu texto em dois turnos de discussão e votação, pela maioria absoluta dos membros unicamente reunidos, parece-me claro que, com base nos atuais arts. 47, 48, 49 cria-se, por emenda, uma competência que os revoga com eficácia a partir de 10.2.87, quando o Congresso Nacional, eleito conforme a atual Constituição, passa a ter um poder diferente do de emendar. O curioso é que temos, em tese, o exercício de um poder derivado para atribuir um poder originário.

A questão que se vislumbra no caso da Constituição americana toma aqui uma configuração bem explícita: um poder derivado, como é reconhecido no caso brasileiro, pela nossa doutrina, pode, sem perder seu caráter de derivado, instituir um poder originário? Se a resposta for afirmativa, pcrgunta-se: teria então havido uma espécie de renúncia à competência derivada? Isto é, estaríamos, na verdade, diante de um poder aparentemente derivado, mas realmente originário? Ou estaríamos, ao contrário, diante de dois poderes realmente derivados, de tal modo que a futura Constituição estaria legitimando o poder revolucionário de 64?

Comecemos por examinar o problema do seu ângulo formal. O citado Alf Ross, em seu Sobre el Derecho y la Justicia (trad. de Carrió, B. Aires 1963, p. 78) sustenta que as normas que outorgam competência jurídica para estabelecer outras normas formam uma série que não pode ser infinita regressivamente: há que se chegar a uma autoridade suprema. Embora esta tese lembre a norma fundamental de Kelsen. Ross a discute de um modo original, indagando se é possível que uma norma que preveja o procedimento de reforma constitucional possa se aplicar a si mesma, limitando, juridicamente, a autoridade suprema. Para negar essa possibilidade, o autor escandinavo invoca a carência de significado das proposições ou normas auto-referentes (por exemplo, não teria sentido uma norma que dissesse: é obrigatória esta obrigatoriedade). Invoca ademais que se uma norma de procedimento de reforma é alterada, a validade da nova norma teria de derivar sua validade da anterior, o que não seria possível, pois essa não seria mais válida, pois é com ela incompatível: estaríamos diante de um raciocínio em que as conclusões contradizem as premissas (derivaríamos a validade de uma norma de uma norma que não tem mais validade).

Pode-se contra-argumentar, como faz Bulygin ("La Paradoja de la Reforma Constitucional", in Alf Ross — Estudios en su Homenaje, Valparaiso 1984, t. I. p. 329 e ss.) que as duas normas, a antiga e a nova, não coexistem no tempo, sendo, pois, possível que a antiga fosse válida no momento em que se realiza o ato de promulgar a nova. Nesse caso estaríamos diante de dois sistemas sucessivos, entre si contraditórios, o que não impediria que a validade da nova constituição pudesse efetivamente derivar da antiga, que fica revogada. Esclarece, contudo, que a aplicabilidade da nova Constituição deveria derivar de um critério pertencente ao sistema vigente. Talvez se pudesse explicar isto de uma outra forma, como o faz Santiago Nino ("Ross y la reforma del procedimiento de reforma constitucional", in Alf Ross — Estudios en su Homenaje, t. II, p. 361), ao dizer que a posição de Ross é infundada desde que admita um juízo normativo inicial do raciocínio do tipo: "deve observar-se toda norma editada por um procedimento estabelecido por uma norma que deve observar-se no momento de editar a primeira".

Não me sinto à vontade, nem o desejo, para entrar na complexa questão lógica e semântica sobre proposições significativas que sejam genuinamente auto-referentes. Não obstante, a admitir-se o raciocínio de Bulygin e de Nino, teríamos de reconhecer que, no caso brasileiro, a futura Constituição estaria derivando a sua validade da anterior. Mas como ficariam, nesse caso, as noções de poder originário e poder derivado?

A noção de poder originário é, sabidamente, controvertida. De um ângulo estritamente normativista, há quem sustente que o conceito é extrajurídico. Juridicamente só podemos encarar o poder constituinte como competência. A força (social, política) que produz normas primeiras e fundantes da ordem sistematicamente encarada, sendo um momento pré-normativo, não pode ser juridicamente conceituada (assim Vunossí, Teoria Constitucional. I, 336; Carrió, Sobre los Limites del Lenguage Normativo, pp. 48-58). Na verdade, esta concepção toma a palavra "poder" na sua ambiguidade e distingue entre poder-força e poder-competência, não encontrando um meio de tratá-las na sua convergência. Ao contrário, como diz Carrió, quando se tenta atribuir ao conceito de poder originário a qualidade de "natureza híbrida" (Burdeau), ocorre uma impropriedade por desconhecimento da ambiguidade vocabular.

Na verdade, as teorias sobre o poder constituinte, p. ex., as democráticas, sustentam que o poder originário tem um titular imediato que é o povo. Elaborada a constituição pelo povo (em realidade pela assembléia que congrega os representantes constituintes) e estabelecido o procedimento de reforma, alterações subsequentes são executadas, aparentemente, por outro tipo de representantes (os que compõem, digamos, o Congresso Nacional), os quais, porém continuam sendo representantes do menino titular: o povo. Ora, pergunta-se, por que, no primeiro caso, os representantes constituintes hão de ter uma uma qualidade potestativa diferente dos representantes constituídos? A resposta só poderia ser: porque o titular de ambos os poderes (afinal, todo poder emana do povo...) no caso de poder originário age ilimitadamente e, no segundo caso — poder derivado — age conforme limites que ele próprio estabelece: autolimitação.

Esta autolimitação comporia, porém, um problema semelhante ao das normas auto-referentes. Autolimitar-se significa conferir normativamente restrições ao próprio exercício do poder. Ora uma norma que tem por emissor um agente que é o próprio emissor fere o princípio da alteridade: não é norma jurídica, quando muito norma moral. Assim ou estamos diante de uma ambiguidade vocabular e é preciso abandonar a noção de poder originário (que é carente de significado jurídico numa forma análoga à carência de significado das normas auto-referentes) ou reconhecemos que são dois poderes distintos — um força, outro competência — devendo-se aceitar que, em certas circunstâncias, o poder-competência engendra um poder-força, ao alterar as limitações estabelecidas para o exercício da própria competência.

Embora não tenha a pretensão de resolver a questão, parece-me que uma alternativa ao problema está no modo mesmo como se concebe a norma jurídica. Do ângulo linguístico, podemos falar em "norma sentido", "norma-prescrição" e "norma-comunicação". Assim como uma proposição, norma-sentido é uma prescrição (exigência, proibição, permissão) possível de um estado de coisas. Assim como uma asserção, norma-prescrição é o prescrito num ato de prescrever, realizado por um sujeito em uma ocasião determinada. É norma-comunicação, como uma comunicação, é um ato complexo no qual estão envolvidos pelo menos um emissor e um receptor, bem como as mensagens trocadas por ambos. Ora, a discussão doutrinária jurídica trata as normas em questão (constitucionais) como normas gerais concebidas ora como norma-prescrição ora como norma-sentido, visto que elas prescindem da identificação de endereçados: valem erga omnes (Alchouorón-Bulygin, Sobre l'a Existencia de las Normas Jurídicas, Valência. 1979, pp. 29-31). Pois bem: a meu ver é isto que conduz aos paradoxos mencionados.

Assim, se prescindimos da dimensão comunicacional, no caso de norma-sentido coloca-se o problema das normas auto-referentes e, no caso de norma-prescrição, aparece a questão da autolimitação do poder.

Sem aprofundar esta crítica, vejamos como o problema se põe se supomos uma concepção da norma jurídica como norma-comunicação. O princípio básico deste enfoque é o da interação. O sistema normativo é visto como um conjunto de partes em comunicação que trocam mensagens prescritivas. Essas partes são seres humanos que, estando em contato, assumem posições uns perante os outros. Distingam-se dois níveis da interação: a) as partes fornecem uma informação sobre um estado do coisas — aspecto relato ou conteúdo da comunicação; b) as partes, concomitantemente, fornecem uma informação sobre a sua relação, isto é, determinam como o relato deve ser recebido, qual a posição de um e de outro na interação — aspecto cometimento ou relação da comunicação — a saber, se devem ser consideradas como iguais, diferentes, coordenadas, subordinadas etc. O sistema normativo é concebido então como um sistema de controle, primariamente no nível cometimento mas também, secundariamente, no nível relato (posto que uma norma, pelo seu relato, pode metacomunicar sobre o cometimento de outra: relação de validade). Este controle, em situações normativas, pode ocorrer, socialmente, de vários modos: tabus, tradições, relações naturais de dependência (mãe e criança) etc. Nos sistemas jurídicos burocratizados, o sistema normativo se torna um sistema diferenciado e autônomo (mas não autárquico), em que o emissor assume uma posição de terceiro em face das relações sociais, isto é, de um outro, não partícipe, mas institucionalizado nesse papel de terceiro comunicador (dependendo da situação temos, o juiz, o policial, o administrador, as próprias partes enquanto vontades autônomas na elaboração de contratos, o legislador etc,). O cometimento jurídico, sendo institucionalizado, toma assim o caráler de uma relação de domínio — relação autoridade/sujeito — e de estratégias de dominação altamente reflexivas em que normas se tornam objetos de outras normas, o poder incide sobre o próprio poder. Com isso se explica a possibilidade de formação de séries normativas e de relações de delegação, que culminam em normas primeiras, denominadas normas-origem.

Sistemas normativos possuem várias séries normativas, nas quais encontramos normas-origem e normas derivadas. As relações entre estas são relações de validade: uma norma valida a outra na medida em que lhe garante o cometimento (autoridade/sujeito), imunizando o emissor contra posicionamentos de indiferença, descrédito, numa palavra, de desconfirmação por parte do sujeito. Por exemplo, uma norma, pelo seu relato, confere competência a um emissor que, então, perante um sujeito, aparece como autoridade. Repressivamente, a norma imunizante é, por sua vez, imunizada por outra (ambas são válidas) e assim sucessivamente até uma norma-origem que só é imunizante.

Normas-origem não são, pois, válidas. São apenas efetivas, isto é, há uma adequação entre seu cometimento e seu relato de modo que elas têm sucesso: firmam- se. Como os sistemas normativos, porém, possuem várias normas-origem, deve-se dizer que o seu caráter de conjunto não é dado por uma única e primeira norma-origem, uma espécie de norma fundamental. Os sistemas normativos são equifinalistas: um mesmo ponto pode ser atingido a partir de várias origens. Como explicar, então, a coesão do sistema?

Admitimos que os sistemas normativos, enquanto sistemas comunicacionais, possuem padrões de funcionamento. O seu estar-em-funcionamento e a manutenção global da relação autoridade/sujeito. Estes padrões dependem de dispositivos calibradores (como o câmbio do automóvel, ou o termostato da geladeira) que regulam o funcionamento e permitem identificar uma norma-origem, isto é, dizer se uma norma, mesmo em desacordo com outras séries de validade, passa ou não a fazer parte do sistema, adquirindo o caráter de norma-origem. Esta regulagem é dada por regras de calibração que não chegam a formar um conjunto coerente, estão dispersas no sistema e são produzidas de diferentes modos. São, p. ex., regras de calibração o princípio da equidade, a determinação de que, na aplicação do direito, deve-se ter em conta o bem comum, que no Direito Público deve ser reconhecida a supremacia do interesse público. Estas regras são construídas pela Jurisprudência, pela doutrina, pelos costumes etc. Em suma, graças às regras de calibração podemos falar em coesão do sistema e, em consequência, de flexibilidade, rigidez, estabilidade, transformação e, sobretudo, de ruptura do sistema normativo.

Isto posto, consideremos o problema constitucional que propusemos de início. O cometimento das normas (relação autoridade/sujeito) admite duas formas básicas: a relação de sujeição-obrigação ou proibição e a relação de sujeição-permissão ou autorização. A primeira é uma relação assimétrica, complementar. A segunda envolve uma pseudo simetria. Isto é, na permissão jurídica ocorre uma espécie de libertas concessa. Ou seja, a relação autoridade/sujeito toma a forma de uma liberação, às vezes escondida sob o modo de um reconhecimento da liberdade. Pois bem, o problema que estamos examinando refere-se a normas cujo relato expressa a competência e o modo como deve ser modificada uma norma-origem: a constituição.

Constituições são normas-origem no sentido exposto: não são válidas, por que são a primeira de uma série, mas são efetivas. Sua preeminência é garantida dentro de um padrão de funcionamento dos sistemas normativos modernos, o padrão da legalidade. Este padrão depende de regras de calibração. Estas regras de calibração podem ser encontradas, por exemplo, no princípio da soberania. Assim, o conceito de soberania tem um caráter explicativo que, na verdade, esconde um caráter normativo, que traça as linhas do que deve ser, na medida em que se apresenta como compreensão e explicação do que acontece, mas superpondo-se à realidade, forçando-a, simplificando-a para reduzí-la a um sistema composto, unitário e coerente. Ora, o poder que faz de um soberano um soberano, que faz o Estado — enquanto unidade de domínio — surgir da sociedade composta de partes em mutáveis e efêmeras relações entre si, é o poder supremo de legislar. Isto, porém, conto diz Bobbio (O Futuro da Democracia, S. Paulo, 1986, pp. 132-133) é uma "figuração", posto que a vida política real é bem diferente. Pelo que proponho, a noção de soberania funciona exatamente como uma das regras calibradoras que garante à constituição o seu caráter de norma-origem dentro de um padrão de funcionamento em que o sistema toma a estrutura de uma hierarquia normativa na forma de uma pirâmide.

Dentro deste padrão-legalidade, a distinção entre poder constituinte originário e derivado funciona igualmente como regra de calibração. A idéia de um poder autônomo, inicial e incondicionado contraposto a um poder-direito derivado tem também um caráler cripto-normativo. É uma "figuração" que está na base, que regula, que calibra o sistema, permitindo reconhecer de um lado uma fonte principal do Direito que, uma vez exaurida a sua função fundante, deixa à norma posta a instauração das relações de subordinação. Graças a esta distinção é possível uma regulagem do sistema que, mantendo-se em funcionamento, troca de padrão: padrão-efetividade para padrão-legalidade.

Ora. examinando a estrutura da norma-comunicação que determina os procedimentos de modificação da constituição, há de se encará-la em toda a sua complexidade (relato e cometimento, mensagens e comunicadores). Tomemos o exemplo concreto:

Art. 48 — "Em qualquer dos casos do artigo anterior, a proposta será discutida e votada em sessão conjunta do Congresso Nacional, em dois turnos, considerando-se aprovada quando obtiver em ambas as votações, dois terços dos votos dos membros de cada uma das Casas”.

O relato da norma em tela é composto de uma descrição da ação (que na doutrina costuma chamar-se hipótese, hipótese-normativa) — no caso o modo da discussão, o quorum e a forma de sua verificação — e uma descrição das condições da ação — a proposta conforme o "artigo anterior". O cometimento se localiza nas formas verbais "será", "considerando-se" que caracterizam uma obrigação que limita a competência do artigo anterior. Tomando-se, para simplificar, o conjunto, temos de identificar aí também o emissor e o receptor que compõem a norma-comunicação.

Dentro do padrão-legalidade, o emissor da norma que autoriza emendar é um papel institucionalizado denominado constituinte. Seu receptor e também um papel institucionalizado denominado poder constituído. Assim, se o receptor emendar a constituição conforme o relato da norma que autoriza emendar, temos uma nova norma — uma emenda constitucional — na qual o receptor da anterior é agora emissor, sendo receptores os emissores das normas de hierarquia inferior. Que acontece, porém, quando o receptor promulga uma emenda que altera o relato da norma que lhe confere competência? Aparentemente ele cumpre a norma e engendra um paradoxo. Na verdade, porém, isto não ocorre. Por quê? Porque ao promulgar emenda alterando o relato da norma que autoriza os procedimentos para emendar, o receptor (poder constituído) se põe como emissor (poder constituinte). Isto é, já não é a norma que autoriza os procedimentos de emenda que está sendo acionada, mas uma outra, com o mesmo relato, mas com outro emissor e outro receptor. É uma norma nova, uma norma-origem.

Uma norma que prevê procedimentos modificadores de um sistema normativo, enquanto um conjunto de normas-atores-comportamentos, é, sabidamente uma — denominada — norma constitutiva. Isto é, trata-se de uma norma que constitui ela própria o comportamento que ela prevê: regras, atores e movimentos são solidários, pois o ator só é ator e o movimento só é movimento na regra. Sua alteração, ou porque se altere o movimento prescrito ou porque se altere o emissor que prescreve ou o receptor da prescrição, implica nova norma. Assim, vamos denominar de norma 1 (N1) aquela que tem por emissor a autoridade Al e por receptor o sujeito S1 e por cometimento uma facultação (Fl) (A1 faculta S1); o relato dessa norma é a descrição de procedimentos para emendar a constituição (P1). Graficamente:

N1: Al cometimento (Fl) S1

(emissor) relato (P1) (receptor)

Ora, quando o sujeito S1 cumpre o relato (P1) para alterar a norma N1 na verdade ele passa a ocupar o lugar de Al, sendo que o seu lugar passa a ser ocupado por outros receptores (digamos, S2). Assim, quando se cria um procedimento novo (P2) com base no procedimento antigo (P1) obtendo-se a norma N3, a derivação não é entre N1 para N3, mas de N2 para N3, sendo N2:

S1 cometimento Fl S2

relato P1

No caso concreto: quando o Congresso Nacional promulga uma emenda (n. 26) conforme os arts. 47 e 48 da Constituição de 69, emenda que altera os próprios artigos, não é a norma dos arts. 47 e 48 que está sendo utilizada, mas uma outra, pois o poder constituído já assumiu o papel de constituinte. Vê-se, assim, que não ocorre a auto-referência. A ilusão da auto-referência está em que, formalmente, são os arts. 47 e 48 que estão sendo aplicados quando, na verdade, já estamos diante de uma outra norma (com a mesma numeração, o mesmo relato, a mesma relação de cometimento, mas com outro emissor e outro receptor, os quais integram a norma-comunicação: emissor passa a ser o Congresso Nacional e receptor a futura Assembléia Nacional Constituinte).

Sabemos, no entanto, que nem toda norma-origem integra o sistema na sua coesão. Se, por hipótese, uma "frente partidária extraparlamentar" a tivesse estabelecido, teríamos dificuldade de integrá-la no sistema, pois não haveria como calibrá-la: o ato de força seria patente. No caso, porém, invoca-se uma regra de calibração: o Congresso Nacional, bem ou mal, representa o povo (abstração feita dos detalhes políticos: a presença dos senadores "biônicos"). Esta regra de calibração é que permite integrar a norma-origem no sistema, o qual, assim, se mantém em funcionamento, trocando, porém, o seu padrão: do padrão-legalidade para o padrão-efetividade. O padrão-efetividade está em uso no momento em que aparece a nova norma-origem. Daí para a frente, volta o padrão-legalidade.

Por último, é preciso realçar que, obviamente, a noção de sistema normativo, que estamos usando é bem distinta da noção tradicional da doutrina. Esta o entende como “ordem hierárquica”, que introduz uma racionalidade nada empírica não na teoria mas nas próprias leis. Contra Kelsen, para quem "uma norma não forma parte da ordem jurídica senão porque foi editada conforme as disposições de outra norma dessa ordem" (Reine Rechtslehre, Viena 1960, p. 239), admitimos que séries hierárquicas constituem apenas aspectos parciais do ordenamento. O sistema normativo tem a estrutura de uma rede ou malha auto-reguladora de normas-comunicação, com enfoque especial para o seu dispositivo calibrador, cuja ruptura ocorre apenas quando há uma sobrecarga de informações, isto é, entrada de novas normas-orígem que não conseguem ser calibradas no interior do próprio sistema. Dentro desta noção teríamos finalmente que reconhecer que o sistema normativo brasileiro, com a convocação da constituinte, não se rompe.

Na verdade, o sistema apenas troca, por um momento, o seu padrão de funcionamento. Ou, como disse argutamente o então candidato Tancredo Neves "Uma Assembléia Nacional Constituinte é mais interessante quando há um vazio de representação popular. Quando não existe um Congresso funcionando, convoca-se uma Constituinte. Mas, com um Congresso em funcionamento — e seria a primeira vez que isto aconteceria em nossa história — delega-se poderes ao Congresso. E não há divergência em substância" (cf. Jornal da Tarde de 22.9.84).

FONTE: Revista de Direito Público , nº 81 – Janeiro- Março de 1987 – Ano XX, pp. 134/139.

Texto digitado e organizado por: Gabriela Faggin Mastro Andréa.

 

Outras Publicações

02/08/2017 - O Estado e o investimento social.

02/08/2017 - O Estado interventor e a Ordem Econômica na Emenda Constitucional de 1969.

02/08/2017 - Constituição e ideologia.

02/08/2017 - Institucionalização da violência.

02/08/2017 - Princípios condicionantes do Poder Constituinte Estadual em face da Constituição Federal.

02/08/2017 - Justiça como retribuição da razão e da emoção na construção do conceito de Justiça

02/08/2017 - Por que ler Kelsen, hoje.

02/08/2017 - Discricionariedade nas Decisões do CADE Sobre Atos de Concentração.

02/08/2017 - Ética administrativa num país em desenvolvimento.

02/08/2017 - O Judiciário frente à divisão dos Poderes - um princípio em decadência.

02/08/2017 - Prefácio à obra Curso de Economia - Introdução ao Direito Econômico, de Fábio Nusdeo.

02/08/2017 - Reajustes salariais na sucessão dos Decretos-Leis, qual a norma incidente no tempo?

02/08/2017 - Coisa julgada em matéria fiscal - identidade de objeto.

02/08/2017 - Apresentação da edição brasileira da obra Eichmann em Jerusalém de Hannah Arendt.

02/08/2017 - Concepção de sistema jurídico no pensamento de Emil Lask.

02/08/2017 - A relação meio-fim na Teoria Geral do Direito Administrativo.

02/08/2017 - A sindicalização rural.

02/08/2017 - A teoria da norma jurídica em Rudolf von Ihering.

02/08/2017 - A concepção geral do mundo e a revolução científica e industrial.

02/08/2017 - A Filosofia do Direito no Brasil.

22/07/2015 - Prefácio à obra “Dever Jurídico e Teoria Realista do Direito”, de Ari Marcelo Solon.

22/07/2015 - Litígio constitucional entre Estados-membros e a competância do STF.

22/07/2015 - Liberdade e responsabilidade penal.

22/07/2015 - Direito e Cidadania na Constituição Federal.

22/07/2015 - Perversão ideológica dos Direitos Humanos.

25/03/2015 - A anistia e o desejo de punir.

25/03/2015 - A anistia e o desejo de punir.

19/08/2014 - Propostas para a Constituinte

19/08/2014 - Segurança Jurídica e Normas Gerais Tributárias

19/08/2014 - Segurança Jurídica e Normas Gerais Tributárias

19/08/2014 - Indício e prova de Cartel

19/08/2014 - Indício e prova de Cartel

19/08/2014 - A teoria tridimensional do direito de Miguel Reale

19/08/2014 - A teoria tridimensional do direito de Miguel Reale

19/08/2014 - As origens do Estado contemporâneo ou o Leviathan gestor da economia

19/08/2014 - Liberdade de opinião, liberdade de informação - mídia e privacidade

19/08/2014 - Hobbes e a teoria normativa do Direito

19/08/2014 - A concepção geral do mundo e a revolução científica e industrial (Comentário — II)

19/08/2014 - A concepção geral do mundo e a revolução científica e industrial (Comentário — II)

19/08/2014 - Democracia e conscientização social

19/08/2014 - Direito Subjetivo: Formação do Conceito e Limites Operacionais

19/08/2014 - A noção de Norma Jurídica na obra de Miguel Reale

19/08/2014 - Atos Institucionais e exclusão de apreciação Judicial.

06/06/2014 - A concepção geral do mundo e a revolução científica e industrial (Comentário — II)

08/01/2013 - Que estou lendo

08/01/2013 - Sobre a decadência do crédito tributário

08/01/2013 - Resilição unilateral de relações comerciais de prazo indeterminado e a lei de defesa da concorrência

08/01/2013 - O conceito jurídico de oligopólio e a legislação sobre o abuso do poder econômico

08/01/2013 - Guerra fiscal, fomento e incentivo na Constituição Federal

08/01/2013 - Da inexistência de fundo de comércio nas sociedades de profissionais de engenharia

08/01/2013 - Poder Legislativo

08/01/2013 - Competência da Anatel para a Regulação de Mercados Adjacentes aos Serviços de Telecomunicações: o Mercado de Listas Telefônicas

08/01/2013 - A concentração econômica e fiscalização administrativa (Entendimento do art. 74 da Lei n? 4137/62 segundo a redação do art. 13 da Lei 8158/91)

16/02/2012 - Lei de defesa da concorrência – origem histórica e base constitucional - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

16/02/2012 - Porto – arrendamento - cessão e prorrogação do contrato - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/02/2012 - Das condições de obrigatoriedade de comunicação de atos de concentração - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Entrevista de Tercio Sampaio Ferraz Jr. à Revista Época

02/02/2012 - Entrevista de Tercio Sampaio Ferraz Jr. à Revista Getúlio

02/02/2012 - Conduta Discriminatória e Cláusula de Exclusividade Dirigida - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Anterioridade e Irretroatividade da Lei Tributária sobre Imposto de Renda na Constituição de 1988 - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Sigilo das operações de instituições financeiras (parecer) - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Regulamentação da Ordem Econômica - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Princípio da Igualdade no Sistema Tributário - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Prefácio ao livro “Competitividade: mercado, estado e organização”, de Elizabeth M. M. Querido Farina, Paulo F. de Azevedo e Maria S. M. S. - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Prefácio à obra “Introdução ao direito econômico - curso de economia”, de Fábio Nusdeo - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Apresentação do livro “Pessoa Deficiente – direitos e garantias”, de Olneu Queiroz Assis e Lafaiete Pussol - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Lei Geral de Telecomunicações e a Regulação dos Mercados - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

02/02/2012 - Indício e Prova de Cartel - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Reajustes salariais na sucessão dos Decretos Leis, qual a norma incidente no tempo? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Princípios condicionantes do Poder Constituinte Estadual em face da Constituição Federal - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Vigência dos Decretos-Leis sobre o Salário - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Liberdade de opinião, liberdade de informação: mídia e privacidade - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - ICMS: não-cumulatividade e suas exceções constitucionais - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Falta Experiência para Legislações Comuns - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Discricionariedade nas Decisões do CADE Sobre Atos de Concentração - Tércio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Convocação da constituinte como problema de controle comunicacional - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Concepção de sistema jurídico no pensamento de Emil Lask(*) - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Competência tributária municipal - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Aplicação da legislação antitruste: política de Estado e Política de Governo - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Aplicação da Ação Revisional no Processo Trabalhista - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - Abuso de Poder Econômico por prática de licitude duvidosa amparada judicialmente - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - A sindicalização rural - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - A relação meio/fim na Teoria Geral do Direito Administrativo - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - A regulação nas bolsas - Raymundo Magliano e Tercio Sampaio Ferraz Jr.

22/11/2011 - A opção entre os Sistemas - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Sigilo Bancário - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Regulamentação da Ordem Econômica - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Propriedade Industrial e Defesa da Concorrência - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Prefácio à obra Tópica e Jurisprudência, de Theodor Viehweg - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - “Parrhesia” Ainda sabemos o que é? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Liberdade de Opinião, Liberdade de Informação: Mídia e Privacidade - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Liberdade de Opinião, Liberdade de Informação: Mídia e Privacidade - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - ICMS: não-cumulatividade e suas exceções constitucionais - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Goffredo: da morte à vida - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Equiparação - CTN, Art. 51 - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Discricionariedade nas Decisões do CADE Sobre Atos de Concentração - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Desafios do federalismo fiscal brasileiro - Marco Aurélio Greco e Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Desafios do federalismo fiscal brasileiro - Marco Aurélio Greco e Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Da abusividade do poder econômico - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Convocação da Constituinte como problema de Controle Comunicacional - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Contrato de Fornecimento Contínuo e a Lei 8.666/93 - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Constituinte - Regras para a Eficácia Constitucional - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Anterioridade e Irretroatividade no campo Tributário - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - A definição de produtos sem-elaborados e os limites da ficção jurídica - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Agências Reguladoras: legalidade e constitucionalidade - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Allegro ma non troppo - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Os desafios para a nova Constituição - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Holocausto judeu ou alemão? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Restabelecer a justiça - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Direitos humanos – o que fazer? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Corrupção – o Satã brasileiro? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Como regular agências reguladoras? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Lei antitruste - um problema econômico do Ministério da Justiça - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - A cobrança dos inativos é inconstitucional? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Hora das políticas múltiplas - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - A greve dos servidores é ilegal? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

03/11/2011 - Contra o Terror, a Lei - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Governo e Consenso - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Vale a pena votar? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Uma política de avanços e recuos - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Um livro muito além das modestas intenções do autor - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Terrorismo de Estado de Direito - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Rumo à redemocratização - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Poder central - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Pelé e o significado do voto - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Os direitos humanas também são relativos? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Os Cordões da Bolsa – Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - O jogo do poder - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - O Executivo e a Tecnocracia - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - O dilema americano - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - O imperativo da legalidade - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Igreja e Ideologia - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Essas leis são sérias? - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Como entender esse Decreto-Lei? Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Ciência e Política - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - Apenas um dos momentos da crise - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - A ponta do "iceberg" - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - A morte da democracia - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - A intervenção na economia - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - A dimensão social da Democracia - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - A democracia de Geisel - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - A centralização do poder - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

25/10/2011 - A burocultura - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Saúda o Novo Diretor - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Rigidez ideológica e flexibilidade valorativa - para uma análise da dimensão axiológica do Direito - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - RICHARD WISSER, Verantwortung im Wandel der Zeit — Mainz, v. Hase & Koehler Verlag, 1967 — 234 págs. - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - RICHARD WISSER – Martin Heidegger im Gespräch – Edição: Verlag Karl Alber – Freiburg-München – 1970 – 80 páginas. - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Remissão e Anistia Fiscais: sentido dos conceitos e forma constitucional de concessão - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Realidade política brasileira - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Política e Ciência Política - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - O Oficial e o Inoficial - ensaio sobre a diversidade de universos jurídicos temporal e especialmente concomitantes - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - O legado da Revolução - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Interesse Público - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - ICM sobre bens importados - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - FRITZ-JOACHIM VON RINTELEN – Contemporary german philosophy, an its background. Coleção: Mainzer philosophische Fouschungen, editada por G. Funke, vol. 11. Edição H. Bouvier u. Co. Verlag-Bonn – 1970

23/08/2011 - Sigilo de dados: o Direito à privacidade e os limites à função fiscalizadora do Estado - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Decreto-Lei, Instrumento Discricionário - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Congelamento de preços — Tabelamentos oficiais - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Competência Tributária Municipal - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - LAFER, Celso – A reconstrução dos direitos humanos (Um diálogo com o pensamento de Hannah Arendt) – Companhia das Letras, 1988, 406 págs. -Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Revisão e apresentação do livro Legitimação pelo procedimento de Niklas Luhmann - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Aposentadoria dos Servidores Públicos e a Legitimidade do Regime Contributivo da Emenda Constitucional n° 20 - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Algumas observações em torno da cientificidade do direito segundo Miguel Reale - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - A visão crítica do Ensino Jurídico -Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - A tutela dos Interesses Difusos - Painel - DEBATES

23/08/2011 - A Lei de Informática em questão - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - A Igreja e as Ideologias atuais -Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - A filosofia como discurso aporético - uma análise da filosofia do ângulo lingüístico-pragmático - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Liberdade de imprensa e escândalo - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - A “democracia” relativa - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Teoria da norma jurídica: um modelo pragmático - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - O papel, da Dialética em Aristóteles, Kant e Hegel - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Dra. Alice no país do “pró-rata média” - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - Dra. Alice no país da corrupção - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

23/08/2011 - A dra. Alice no país da lei, ora a lei - Tercio Sampaio Ferraz Jr.

 

 


visite o site parceiro

 

 

 
© Copyright 2006 - Tercio Sampaio Ferraz Jr - Todos os direitos reservados
Desenvolvimento: TECMEDIA